terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Ser ou não ser?

Wagner Moura aceita o desafio de ser o principal personagem de Shakespeare

Depois de viver o conflituoso capitão Nascimento, no filme ‘Tropa de Elite’, Wagner Moura encarna o clássico dilema de ‘Hamlet’. Além de atuar, Moura é produtor e co-autor da tradução do espetáculo, em cartaz no teatro Faap.

Como agiria o truculento capitão do BOPE diante das agruras – e que não são poucas – vividas pelo príncipe da Dinamarca? Como se já não bastasse perder o sono com visões do pai, um defunto que pede por vingança, o príncipe ainda tem de aceitar o casamento de sua mãe com o tio trapaceiro e encarar a morte da amada. Para quem acha que o capitão tentaria encontrar um substituto, acertou. Alguém à sua altura? Errado. À altura de Wagner Moura. Para o diretor do espetáculo, Aderbal Freire-Filho, responsável pela escolha de Moura para substituir outros tantos Hamlets (competentes), o ator possui emoção e inteligência, dois elementos importantes para se encenar um personagem tão complexo como o herói shakespeariano.

Não ser
Com atores que se dividem entre atuar e filmar suas performances em cima de um palco sem castelos, a montagem de Aderbal e Moura não é o que o público está acostumado a ver. O texto, traduzido do original, abandonou os traços de séculos atrás para dar voz ao coloquialismo. Esse contemporâneo Hamlet de fala, também usa jeans e tênis. Já as dúvidas vividas pelo mocinho, são as mesmas.


Moura e Amarante, autor da trilha para o espetáculo

2 comentários:

Sempre em Trânsito disse...

Meu caro Iobaf,

Espero que as atualizações continuem nesse processo constante.

Mas, vamos melhorar esse layout!

Boas festas ;)

Edson Nunes.

Lucas Miranda disse...

Ei, está na hora de atualizar, não?